Flagelados do vento leste? Contra uma leitura sócio-economica da literatura caboverdiana